Cattaneo celebra 10 anos de residência no Warung

Emocionando brasileiros e argentinos, Hernan faz mais uma de suas apresentações memoráveis em um feriado da independência com direito a sold out
Publicado em: 14/09/2015 - 19:04 | Atualizado em: 15/09/2015 - 12:46
O feriado de independência do Brasil foi ao longo do tempo se tornando uma das principais datas do calendário de eventos do Warung Beach Club, visto a enorme quantidade de turistas que se movimentam em direção ao litoral catarinense, onde mesmo com as condições climáticas não favoráveis, fizeram formar-se filas ao longo da BR-101 entre Navegantes e Porto Belo, mostrando a importância que a vida noturna tem na região. Além disso, o club da Praia Brava não apostava em nomes consagrados da casa nesta data desde 2011, com o épico long set de Dubfire, o que significa que já estava na hora de outra desse porte, desta vez com o DJ argentino Hernan Cattaneo como convidado.
 
No verão de 2005 ele fez sua estreia no templo e durante o passar dos anos alternou entre carnavais, revéillons e páscoas, mas nos últimos 5 anos ele religiosamente se apresentou no club entre 28 e 29 de dezembro, período de férias que facilitava muito a vinda de turistas de toda América do Sul, argentinos principalmente. A realocação de Hernan, no entanto, não inibiu os hermanos, que fizeram grande número à frente da cabine para apreciar o aguardado long set do mestre. A composição do line-up é algo a se ressaltar, ter uma noite praticamente inteira dedicada a um artista já foi parte da identidade do club em tempos áureos, e hoje apenas ele é um dos poucos a ter o privilégio de dar o start à 1:00 em ponto e tocar até o amanhecer. O destaque dado na divulgação do evento a isto somado ao nome de Sharam Jey, que tem boa relevância em meio ao público mais novo do club, fez os lotes de ingressos girarem rapidamente, culminando no sold-out no sábado a tarde, dia da festa. A prova de que podemos voltar no tempo e ter noites mais enxutas de artistas já estava dada.
 
Para a abertura do Main Room novamente escalado foi o talentosíssimo DJ catarinense e integrante do núcleo detroitbr, Danee. Historicamente nomes como Leozinho e Daniel Kuhnen fizeram warm-ups elogiáveis para o argentino, porém ninguém conseguiu fazer uma leitura tão precisa como ele, do que é ideal para deixar a pista no ponto para o perfil de Hernan. Danee tem uma percepção de pista e uma qualidade técnica muito diferenciada, sendo provavelmente uma das melhores apostas do Brasil para o mundo nos próximos anos, seu set cadenciado com uma elaboração sistêmica fez a pista vibrar positivamente e já começar a viver o clima de uma noite ímpar. 
Por volta de meia noite e vinte tive o prazer de bater um papo bem descontraído com Hernan em sua chegada à casa, no novo bar localizado atrás do banheiro masculino da parte inferior. Catta nos contou um pouco sobre como tem sido maravilhoso voltar a morar em Buenos Aires, e que não se importa em ter que pegar mais conexões aéreas para seus shows mundo afora, pois nas suas palavras, "família é tudo, filhos são a melhor coisa que pode acontecer na vida de um homem, por isso voltei". Hernan também nós contou um pouco da magia do Burning Man e que sofreu uma torção no pé andando de bicicleta no deserto, fato que fez seu médico recomendar que não viajasse para a gig no Brasil. Como já era hora do show subimos à cabine e, como de costume, a recepção do publico foi muito quente. HC, mesmo mancando, não via a hora de tocar! Logo me juntei à enorme quantidade de amigos na pista e comecei a entrar no ritmo envolvente que foi se criando logo na primeira hora de set, um tom mais tribal e sério, que foi ganhando ritmo e abrindo espaço para os primeiros picos de euforia.
Falar sobre um artista que você admira e respeita tanto é mais difícil do que parece, isso quando ele sempre acha uma forma de te surpreender. Hernan Cattaneo é como um livro sem fim, se você começar a ler, de verdade, vai fazer isso pro resto da vida. É como se ele contasse a mesma história sempre de maneira diferente, você sabe o caminho que vai percorrer com ele, mas nem imagina todas maravilhas que vai encontrar durante o percurso. Neste ano ele contornou um pouco as melodias e a soturnidade tão comum em seu estilo e preferiu levar a pista por uma onda mais fria e anestesiante. Um dos destaques das duas primeiras horas foram as músicas "Virgo" de Alex Niggemann, com remix de Fur Coat, e "Walls" de Monkey Safari, com fantástico remix de Guy Gerber. Dali em diante, já com com o pitch no ponto, ele seguiu conduzindo todos com uma linha de baixo pesada e de groove delirante, fazendo a tão esperada "peneira na pista" Hernan moldou e jogou o que queria, são as famosas duas horas do meio do set em que a pista fica praticamente sem reação, tamanha intensidade que ele vai colocando as músicas, com viradas desconcertantes e forte carga de elementos aleatórios, que aparecem e somem sozinhos.
Certamente momentos de emoção também não faltaram, principalmente nas últimas duas horas, musicas como Chrysalism de Rodriguez Jr., Acamar de Frankey & Sandrino, e Lalitha de Sahar Z & Audio Junkies foram possivelmente os pontos mais simbióticos da noite. As escolhas finais no amanhecer dão sempre um tom de volta ao mundo real, e os destaques ficaram na ótima sequencia de All I Want de Bob Moses com remix desconhecido, virando para um classico de 1998 chamado Hale Bopp, de Der Dritte Raum, com versão remasterizada por Raumgleiter em 2013, e a escolha pro encerramento foi uma das melhores já vistas, Timing de Guy Gerber é reconhecível nos primeiros dois segundos por tamanha singularidade que tem, apontada por muitos como o maior clássico do club, já foi tocada por caras como Sven Vath, John Digweed, e o próprio Gerber. Só faltava encaixar no set de Hernan e o momento era esse, o público não se conteve e o canto de reverência "Ole, ole, ole, Hernan, Hernan" ecoou por toda estrutura do templo até se perder no mar. O maestro mais uma vez provou ter o espírito totalmente conectado com o Warung, e isso, nem os argentinos discordam.
 
Fotos: Gustavo Remor / Juliano Viana / IMAGECARE.

Deixe seu comentário